Tortelle de abóbora com creme de queijo de cabra

Como eu gosto da cor profunda e intensa das abóboras.
E o modo como elas se esparramam na horta quando recebem o sol e um solo bem nutrido. Você sabe que estão maduras quando os talos começam a secar e a casca endurecer. Mas se você colhê-las e deixá-las no sol, elas amadurecem ainda mais. E isso faz com que se conservem por mais tempo.
Falando em botânica, ela é classificada como fruta, a moranga também.
A mais comum é a butternut, a nossa abóbora-menina. Mas é um alimento cultivado a mais de 10 mil anos, com diferentes tipos, formatos, tamanhos e cores.

A variedade de pratos que se pode fazer com a abóbora é incomensurável.
Como excelentes transportadoras de sabores, você pode misturá-las com especiarias e ervas, como alecrim, sálvia, erva-doce, noz-moscada, canela, depois assar ou cozer, usar em saladas (combinam muito com folhas de inverno) e temperar com vinagre balsâmico.
Para o meu gosto, grellhadas e preparadas com pimenta fresca picada, azeite de oliva extra-virgem, acompanhadas de radicchio ou rúcula, está perfeito.

Há uma regra geral sobre as abóboras, segundo o Jamie Oliver: Quanto mais laranja ela for, melhor será para você. Pois é rica em vitaminas A, B, C e E, e potássio, além de virem de um mundo misterioso.

O inverno desse ano, na região onde moro, deu muitas abóboras.
Então resolvi testar minhas habilidades e inclui-la num prato amistoso para a época. Massa!

Há tempos buscava uma receita básica de massa, que eu pudesse abrir, cortar, moldar, além de aromatizar e colorir como eu desejasse, ou com o que tivesse em casa.

Pelas minhas experiências com os livros enfarofados do Jamie Oliver, saberia que encontraria ali a ideal, além do incentivo que ele te dá sorrindo.
Aberto o livro no capítulo PASTA, ele inicia dizendo que o seu modo de cozinhar mudou para sempre quando passou a fazer uma massa deliciosa. “Massa é divertido, e deve ser preparada com amor, e apreciada imediatamente, com muito gosto e barulho, se possível! (…) Para preparar um jantar delicioso que o fará se sentir como se estivesse levado um grande abraço de uma mamma italiana!

Me enchi de confiança e fiz:

TORTELLE DE ABÓBORA COM CREME DE QUEIJO DE CABRA

Massa:

Para cada pessoa, calcular 100 g de farinha de trigo e um ovo.
Bater no processador até obter uma massa homogênea e pronto.

Recheio:
1 abóbora média picada
1 cebola
3 dentes de alho picados
50 g de gengibre ralados ou picados
2 folhas de louro
1 ovo
azeite de oliva
sal, pimenta-do-reino, alecrim e noz moscada a gosto.

Aquecer o azeite de oliva, refogue a cebola, o alho, noz moscada, folhas de louro, e acrescentar a abóbora, o ovo, sal e pimenta-do-reino, misturando delicadamente. Cozinhar por 3 minutos na panela de pressão ou até que a mistura tenha reduzido a ponto que dê para espremer como um purê.
Ajuste o sabor, se necessário.

Creme de queijo de cabra:
3 colheres de manteiga ou azeite de oliva
3 dentes de alho picados
1 colher de café ou mais de sal
1 colher de café ou de chá de sementes de endro
3 colheres de sopa de farinha de trigo
3 copos de leite de cabra
100 g de queijo de cabra picado miúdo ou ralado

Aquecer a manteiga ou azeite de oliva com o alho, sal a gosto e sementes de endro, tendo o cuidado para não queimar.  Acrescentar a farinha de trigo, mexendo rapidamente com o fuá, mantendo a panela no fogo.  Deixar dar uma douradinha.  Acrescentar então o leite aos poucos, mexendo continuamente, deixando incorporar antes de acrescentar mais. Tem que ficar um mingau espesso. No final, acrescentar o queijo de cabra.

Montagem:

Dividir a massa em 4 partes, para facilitar o manuseio.
Abrir cada parte com a ajuda de um rolo. Costumo deixar ao lado um punhado de farinha para me auxiliar. De vez em quando, passo um pouquinho na superfície de trabalho, no rolo ou nas mãos. A massa fica fininha sem grudar, mas use pouco para que isso não interfira na elasticidade dela.

Feito as lâminas, cortar tiras retangulares, de 6 cm x 6 cm, ou o tamanho que preferir. Colocar o recheio num dos lados do tortelle. Uma colher de sopa é o suficiente. Cobrir com o outro lado e fechar com a ajuda de um garfo.

Depois de acomodar todos os pedaços em uma travessa e polvilhá-los com trigo (ou semolina, se tiver), aquecer uma panela grande o suficiente para acomodar alguns tortelles, adicionar uma borrifada de azeite de oliva e sal. Cozinhar em água fervente por cerca de 5 minutos, escorrer e despejar o cremoso queijo de cabra.

Nessa noite, eu finalizei o prato com pimenta rosa e alecrim. Azeite de oliva sempre. Enquanto aguardava meus convidados, eu preparei esse molho de pimentas chilli frescas.

Com amor, Julia.

Publicado em: 16 de agosto de 2012 @ 8:00, republicado com amor, em 24 de março de 2013.

Anúncios

Molho básico de tomates

Estou muito feliz porque ontem minha irmã veio me visitar e hoje receberei um casal de amigos que me farão companhia por alguns dias. Como a gastronomia também está no coração deles, certamente inventaremos modas e virtudes na cozinha, as quais pretendo descrever aqui nos próximos dias.

Para começar, meu marido e eu pensamos numa noite de pizzas caseiras. Para isso, decidimos antecipar e preparar nosso molho básico de tomates. Somos apaixonados por métodos artesanais de se fazer comida. Modéstias a parte, treinamos esse molho há muito tempo para chegar numa receita que fosse rápida, fresca, perfumada, doce e salgada.

Que eu seja perdoada por falar isso mas, na verdade, o molho ainda é coadjuvante das nossas massas integrais de pizzas, embora reconheço que sem o brilhantismo do molho, as pizzas não seriam as mesmas.

Baseada na receita “O mais rápido molho de tomates”, do Jamie Oliver, entrego a nossa receita que eu chamo de:

Molho básico de tomates para pessoas de apetites acordados

Faz 500 ml

Ingredientes:
Óleo de oliva
4 dentes de alho descascados e fatiados finamente
folhas rasgadas de um punhado de manjericão fresco
1 kg de tomates
sal marinho e pimenta-do-reino moída na hora
folha de louro

Preparo:
Encontre os tomates mais maduros que tiver.
Aqueça uma panela grande com água até a metade e deixe ferver. Vá colocando os tomates e retirando-os da água assim que as cascas começarem a descascar (menos de 5 minutos).

Em água corrente, para não se queimar, retire as peles dos tomates e coloque-os em um tigela bem grande. Importante: A tigela não vai deixar desperdiçar uma gota. Nesse momento eu os esmago, retiro a parte branca do miolo, e vou cortando até chegar na aparência de um molho.

Em uma panela larga, em fogo baixo, regue fios generosos de óleo de oliva.
Acrescente o alho, a cebola, a folha de louro e, mexendo de vez em quando, deixe dar aquela leve fritadinha, douradinha. Esse processo é chamado de sofrito, pelo Jamie Oliver.

Então acrescente os tomates direto da tijela e parte do manjericão.
Tampe a panela e cozinhe por 30 minutos.
Tempere com sal e pimenta do reino moída na hora, a gosto.
Deixe ferver, depois abaixe o fogo e cozinhe por 5 minutos para concentrar os sabores. Adicione o manjericão fresco restante. Estará pronto quando apresentar a consistência ideal para ser espalhada sobre a pizza.
Desligue o fogo e deixe o molho descansar.

Coloque o molho em uma jarra limpa dentro da geladeira – ele se conservará por cerca de 1 semana. Também é bom congelá-lo em porções ou mesmo em uma fôrma de gelo, de modo que você possa descongelar exatamente a quantidade que precisa. Mas, para ser franca, é tão rápido de preparar que é melhor fazê-lo no dia em que irá usar.

– Logo mais eu apresentarei aqui as pizzas prontas e a nota dos convidados.
Julia.

Felicidades Querida Julia

Aqui está uma das fotos que tiramos no domingo do bolo de aniversario da Julia…Ela estava muito linda e radiante de felicidade e nós também por estarmos compartilhando com ela e com os familiares essa data tão especial…O cardápio de pizza e bolo parece ter agradado a todos…Enquanto o maridão esnobava como pizzaiolo na cozinha, os convidados se espalhavam pela casa…alguns na cozinha, observando enquanto tomavam vinho ao aroma das massas que entravam e saiam do forno, outros na sala, ouvindo música e conversando…foi um dia muito especial…uma festa descontraída, preparada com carinho, com coisas simples feitas em casa…desde o molho da pizza, a massa, as ervas colhidas no quintal…além do bolo, é claro…FELICIDADES QUERIDA AMIGA….Louisette

Coloridos vegetais na forma fulgor

Falando em feira, sábado de manhã eu também visitei a minha.

Passeando pelas bancas, pensei sobre a vitalidade de todos aqueles alimentos. E de onde eles vem. Admiro as pessoas que trabalham nesses lugares, sempre amigáveis e dispostas. Elas me ensinam a amar as coisas mais simples que estão ao meu redor.

Escolhi minhas frutas e verduras e voltei para casa cheia de cores novas na mochila.

A noite selecionei um pouco de cada ingrediente e peguei minha estimada forma fulgor. Ela é realmente muito qualificada.

Enquanto eu fui preparando os vegetais, meu marido preparou um molho esperto.

Aconteceu assim:

Cogumelos, aspargos e dentes de alho inteiros;

Pimentão verde em tiras;

Cenoura e beterraba em rodelas.

Numa tigelinha ele colocou pimenta do reino moída na hora, sal, páprica picante e um pouquinho de água morna, só para difundir mesmo os sabores.

Espalhamos os vegetais na forma fulgor, regamos abundantemente com azeite de oliva extra-virgem, em seguida despejamos o molhinho. Em fogo baixo, deixamos cozer por 20 minutos. Usei um difusor de calor nos 10 minutos finais, só para garantir que nada queimasse. Mas se você quiser fazer e não tiver um, não tem problema, é só deixar no fogo baixo sempre. E acabamos reparando que o pouquinho de água morna nem precisava ter ido. Embora resultou num caldinho maravilhoso.

Simples e rápido de fazer. E o jantar estava fantasticamente saboroso e colorido.

Julia.